sábado, 9 de novembro de 2013

#69

Somos santos e demônios
Morrendo sobre a mesma carne
E agindo da mesma forma

Com obras interminadas
Fazendo péssimas escolhas
Sobre mil pensamentos

Se pode maquiar oque quiser
Querer guardar só para você
Que só os céus conhecem

Seja bom ou não...
A verdade paira sobre o mar aberto


Ela fica escrita nos olhos
As marcas não saem da pele
E as palavras ditas...Não valem a pena

A alma sente a dor do desgaste
Das palavras que ficam ao vento
E que quase nunca se vão

Certa vez te pegam de jeito
Derrubam oque conseguem
E mais uma vez se guardam


Onde ficam os heróis


Às vezes olhando para o nada
Ouvindo seus pensamentos
Procurando suas raízes

Presas sabe-se lá aonde

Penso que possa estar
Talvez em rochas fortes
Mas podem estar em terra seca

Onde nenhum só se mantém
Com água ou sem
Com frutos mas sem

Onde qualquer ponto de vida
Que se diga vida
Faz viver mais do que se deve

Mostrando a força de quem quer
Com um último suspiro
Ir além do que se pode

No meu caso
Serão sempre as estrelas
Sempre os sorrisos

Pois se refazem a cada dia
E me regeneram dando vida
E levando a morte da alma

Para cada vez mais distante de nós e de nossos sonhos...

Um comentário:

  1. Cada vez que visito esta página, me surpreendo com a leveza e sensibilidade do poeta, Parabéns. Você é tudo de bom.

    ResponderExcluir

Experimente

Loading...