sábado, 13 de fevereiro de 2016

#78

Cortem aquelas asas, 
Eles não  precisam mais delas. 
Não mais de cada sorriso
E nem mais da noite que se passa.

Seus  sorrisos já  foram copiados, 
Seus gestos guardados
E sim,  mais uma parte de você. 

Não precisamos mais daquele quadro
E as palavras que persistem em permanecer a nossa volta
Continuam com o mesmo sentido. 

Tem uma multidão olhando em nossa direção
Cada deles em suas janelas inquebráveis e
Com seus olhos maiores que os nossos

Eu tenho medo
Que esse buraco aumente cada vez mais,  e que todo esse controle que temos se perca pelo maldito tempo

... Acho que devo recomeçar

Cortem essas asas que vos entrego
Não precisamos mais voar para lugar algum. 
A dádiva de enxergar já não  parece tão importante também

As cópias que só  eu tinha guardadas comigo foram "perdidas"
O vento "levou"  uma a uma. 

Resta minha parte que ainda está  aqui
Naquela quadro.  
Todas as palavras descritas ali,  me explicam tudo que eu preciso saber e entender. 

Amor, felicidade, sorrisos... Sorriso,
E todo resto no qual acredito mesmo não  fazendo nenhum sentido. 

Os olhos que desejam ver sempre um pouco mais, 
Se deparam com uma janela e uma pequena fresta para estes enormes olhos

E sim...

Eu tenho medo
Que talvez esse buraco aumente cada vez mais,  e que todo esse controle que temos se perca pelo tempo.






4 comentários:

  1. Lindoooo, meu poeta favorito.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Irmão, posso sentir cada palavra como se minhas fossem. Um dó que só quem sabe sente. Um nó que na garganta prende a vontade de gritar e se expressar. Mas com maestria você desfaz os nós e os transforma num lindo laço que enfeita o final da tarde. Parabéns, poeta contemporâneo.

    ResponderExcluir

Experimente

Loading...